Um dia de festa

Festa de aniversário de 1 aninho.
Marcada para o dia 29 de julho 1983.

A família morava no interior do RS.
O pai da família, gremistaço daqueles chatos.
Ele recentemente pintara um corcel branco. Colocou listras azuis e pretas ao ganhar o brasileiro de 81.

A mãe, adorava as loucuras do marido. Há 38 anos as mulheres já brigavam por futebol. Acredite.
Em julho de 82 o nascimento da princesinha da família.
Um ano depois.
Final da Libertadores em Porto Alegre.
O velho pai diz que vai pegar a estrada, 4 horas de viagem até a capital.
Ao sair pelo meio dia, fardado, da um beijo na sua esposa e diz: voltarei campeão da América.

A esposa, por sua vez, apoiando aquele homem devolve “eu sei disso. Mas pelo amor de Deus, amanhã é a festa de aniversário da nossa filha, e preciso de ti inteiro”.

O desfecho do jogo já sabemos.
Grêmio campeão (sasha cOPA ISSO É OUTRA HISTÓRIA).

No outro dia, a cidade do interior acorda cedo. Aquela família começa a decorar a casa para a festa. Festa marcada para as 16h.
Tudo perfeito. Uma época sem telefone móvel. Mas uma época onde as pessoas cumpriam os horários e datas. Se falou que estaria aqui na hora. Ele estaria.

12h. e nada do homem.
14h. A comida da festa chega.
16h. Os convidados começam a chegar.

E cadê o papai?
Como que aquela criança ia responder? Ela não fala nada, Deus do céu…

A mãe,furiosa por ver a maldade das pessoas comentando a falta do pai na festa, só dizia que ele chegaria em breve pois estava trazendo o presente da filha de Porto Alegre (ah se esse homem não trouxer um presente, eu mato ele).

18h. Hora do parabéns.
1 ano de vida daquela menina inocente que choramingava pelo pai.
Ao iniciar o parabéns, o pai entra pela sala, gritando: cadê a gremista campeã da América mais linda do papai???
O pai, com uma camisetinha do Grêmio numa mão, o copo de cerveja na outra, ao invés de cantar o parabéns tradicional puxou “Grêmio, Grêmio…nós somos campeões da América”.

E aquela criança nunca teve uma festa de aniversário tão marcante e feliz. Mesmo sem parabéns.

E hoje? O pai já não está mais aqui.
Mas a menininha aprendeu a não fazer festa pros filhos em semana de final de campeonato. Afinal, o Grêmio merece dedicação exclusiva.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: