Razões para acreditar

Foi uma noite difícil de dormir aqui no Hospício e por isso mesmo demorei a escrever o pós-jogo.

Consegui fugir da Cozinha e fui na Arena. Estava lá, ao lado dos outros 40 mil torcedores e vi um primeiro tempo de alta intensidade, com o Grêmio merecendo o resultado, jogando com a bola no pé, girando o jogo com qualidade, passes certeiros e profundidade. Léo Moura em grande jogada colocou com açúcar para Luan abrir o marcador. O nosso sete não vinha bem na partida. Talvez na etapa inicial, apesar do gol, tenha ido abaixo como foi Ramiro o jogo todo e até Maicon no começo, com dois erros incomuns. Mesmo assim, a primeira parte foi Tricolor. Kannemann outra vez perfeito. Marcelo Oliveira não comprometeu, Cicero esteve bem e Everton o escape de qualidade, enfim, supremacia.

Começou o segundo tempo e pensei que logo viria o segundo gol. Mordemos por alguns minutos e depois nos acuamos ou fomos para trás pela qualidade do adversário. Inegável querer esconder que o Flamengo tem sim uma boa equipe, com qualidades individuais e não por acaso lidera o Brasileirão. Mas a Copa do Brasil segue sendo a nossa cara. A competição que conhecemos e gostamos de ganhar (como a Libertadores). Vinte segundos para o fim e gol deles. Raiva, tristeza, frustração, xingamentos. Seria injusto pelo momento da partida, não pelo que foi apresentado. Nosso treinador salientou que devia segurar a bola no ataque, mas não contava com a lesão do Cebolinha e do Jael que entrou para isso.

Evitaremos falar da arbitragem, mas pesquisem sobre Grêmio e Flamengo de 2016 o que disse o capitão Maicon sobre o senhor Raphael Clauss. Ontem ficou evidente. Pelo menos uma dúzia de inversões de faltas, tiro de meta para escanteio e laterais.

Mas não está morto quem peleia, já cantava Leopoldo Rassier e usava em suas reportagens o grande Régis Rösing, como aquela vez de 1997. Saímos cabisbaixos do Estádio Olímpico e dois dias depois conquistamos o Tri no Maracanã lotado. É verdade que agora serão duas semanas e três partidas entre ontem e a decisão lá. Mas temos inúmeras razões para acreditar e nela devemos nos apegar. Senão, vejamos:

– Renato “Mito” Portaluppi tem mais de 80% de aproveitamento em mata-mata pelo Grêmio.

– Ganhamos a Copa do Brasil 2016 com esse grupo fazendo os resultados sempre fora de casa.

– A mijada do nosso comandante no grupo que vazou do vestiário gremista por integrantes da IVI não foi de todo ruim. Já começa a motivar.

– O Flamengo tirou onda com foto nas Redes Sociais, torcida já dá como certa a classificação, praticam xenofobia com os gaúchos e dizem que o Grêmio não se cria no Rio de Janeiro. Isso propicia ter efeito contrário.

– Certamente teremos dez dias para colocar em forma Marinho, recuperar Cortez, Jael e Everton, dar confiança maior ao André, fazer o capitão Maicon conversar com todos, alinhar o que precisa. Podemos e iremos buscar. Eu acredito. Eu sou gremista. Eu conheço a história do meu Clube. Vamos à peleia, Tricolores.

Um abraço, Gui Zado, o Cozinheiro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d blogueiros gostam disto: