PEDRO, SEMPRE ELE, ERNESTO, O Jabba da Maldade

Sendo breve, Pedrernesto é leviano.

Poderia acabar logo aqui com a coluna, porque já sabem todos o que se vai dizer e o que se vai considerar; no entanto, há alguns pontos necessários que devem ser discutidos e ampliados para que todos os gremistas levem adiante e possam-no combater com conhecimento de causa.

Pedro Ernesto Denardin tem poder. Por incrível que pareça, o rubicundo âncora e arremedo de jornalista esportivo tem grande influência na RBS e é considerado o homem forte da Rede Globo no estado. Quem olha para o Jabba e analisa seu errático e quiçá vaporoso comportamento não suspeitaria que aquele misógino, homofóbico, racista, grosseiro, machista, mal-educado e parcial cronista de resultados tem algum poder de verdade no seio das organizações globo, mas a verdade é que tem. Não me perguntem como nós do Hospício sabemo-lo, mas o fato é que a realidade é esta. E tal explica porque o destempero e as ofensas diárias no twitter e nos programas ficam impunes. Isso também explica o motivo de Romildo tê-lo recebido há algum tempo na Arena e toda a paciência que com ele tem o nosso presidente.

No entanto, paciência e fidalguia têm limites. E esse limite chegou aquele domingo no qual, no pós-jogo, tanto Romildo quanto Renato deram nos dedos, por razões diferentes, no Jabba da Ipiranga. Assim, irritado porque fora confrontado, não tendo caráter ou coragem para dirigir-se diretamente, resolveu mandar uma série de “recadinhos” através de suas colunas. E fê-lo de forma institucional, mas mentindo, como sempre.

Na canhestra tentativa de ser mau, Pedrernesto foi patético, porque lançou mentiras tão evidentes que todas as redes sociais caíram-lhe em cima, à exceção dos tontos colorados de sempre, dos influencers que não influenciam nem a própria filha e os justinos contumazes, acólitos de colo do abjeto âncora do Parque dos Dinossauros. Não lhe faltou, entretanto, certo grau de inteligência: reconheçamos isso.

Primeiro dia, fez texto em que se dizia “amigo” do Grêmio (e do outro clube lá também, diga-se), aparentemente dizendo que poderia ajudar muito, nas entrelinhas dizendo que poderia causar muito mal. Disse-se horrorizado com o que chamou de insinuações de Romildo. O que Pedro Jabba chama de insinuações foram meras constatações dos desvios comportamentais do flebítico narrador amigo do suspeitíssimo presidente da falcatruas mil da FGF. Fingiu-se, então, de vestal ultrajada. O sátiro da Ipiranga, porém, ainda preparava sua notinha maior. E esta não foi a coluna sobre os sócios, foi a série de ameaças veladas, fora do ar.

A coluna sobre os sócios foi a parte aberta, visível. O que fez ele? Tomou duas bases diferentes, a do torcedômetro, programa da AMBEV, para tomar o número de sócios do sci, e a divulgada oficialmente pelo Grêmio como sócios em dia. Comparou coisas diferentes. Fê-lo para criar a polêmica que criou. Como o que importa não é a verdade, é a celeuma, foi bem sucedido. Disse que o sci tem 112 mil sócios, a despeito do período ruim pelo que passou, enquanto o Grêmio, no auge, teria “apenas” 92 mil. Discurso mau-caráter, mas que é repetido como mantra pelos colorados e pelos jornalistas da IVI. E arrematou: fingiu-se de surpreso, como podia o Grêmio da “melhor fase” ter menos sócios. E concluiu que eles “ganharam mais esse Gre-nal”.

O que ele não disse, todavia, é que na mesma base em que ele achou que o SCI tinha 112 mil sócios, o Grêmio tem 144 mil, trinta e dois mil a mais! Também não disse, sobre o quadro Social do Grêmio, que o clube arrecadou quase R$ 45 milhões no semestre, média de R$ 7,5 ao mês. O número que ele, Pedro Ernesto, deu, de média de 6 milhões é um valor líquido, descontado o valor referente à cessão onerosa da Arena. Ou seja, mais uma vez, foi mentiroso, de vez que quis diminuir um valor considerável que é, sim, arrecadado e é usado para pagamento de compromissos institucionais. A verdade, então, é que nossa arrecadação de 2018 com o quadro social será de cerca de R$ 90 milhões, o que é único no Brasil inteiro. E esse valor contabiliza apenas as mensalidades. A ele deve-se acrescer os valores de bilheteria. Para quem quiser mais detalhes, ouçam a brilhante explanação do Tonho no Sala do Hospício do dia 27/09. Só que embora evidentemente mentirosa, sua coluna foi propalada aos sete ventos. E nem vou mencionar a campanha insidiosa insinuando encalhe de ingressos quando estes estão esgotados desde quinta-feira passada.

Tem-se de parabenizá-lo, Pedro Ernesto não é o Presidente da IVI à toa. Ganhou o posto com méritos. E há, ainda, o que não sabemos. O que é feito na surdina. Sabem aquelas ocasiões inexplicáveis em que os jogos do Grêmio não são exibidos, mesmo jogando às 16h de domingo fora da praça de Porto Alegre? Sabem as escolhas esdrúxulas de exibição mesmo quando em Porto Alegre? Não estou dizendo que passa por ele, mas… Darei outro exemplo. O Grêmio jogará terça-feira às 21h45. Em todo o Brasil, no dia 2, a Rede Globo e suas afiliadas exibirão os debates de candidatos aos governos dos Estados. A RBS, porém, exibiria debate ao governo do Estado do RS na quarta-feira, apenas, e, na terça-feira, levaria ao ar o jogo da Libertadores. Isto foi costurado exaustivamente há semanas. Pois acreditem que se ameaçou deitar açúcar no chimarrão gremista. Claro, não foi recado assinado por ele. A direção da RBS – assim mesmo, um recado etéreo, sem pai ou autor – mandou avisar que estudava voltar atrás e não exibir a partida na terça-feira. Não digo absolutamente que foi dedo do Pedro Ernesto, até porque não o posso provar. Só digo, porém, que não há coincidências nesse mundo, tampouco há virgens em casa de função.

Pedro Ernesto é inimigo do Grêmio. Pedro Ernesto é perigoso. Pedro Ernesto, o grosseiro e impune, tem de ser vaiado sempre, como já defendemos há tempos. Não é para xingá-lo, ameaçá-lo ou, muito menos, agredi-lo. É, apenas, para vaiá-lo sem dó nem piedade até o dia que seja impedido de entrar na Arena, não por ato discricionário, mas porque não aguentará de vergonha.

Assim, encerro a coluna com as mesmíssimas palavras com as quais a abri: Pedrernesto é leviano, um inimigo do Grêmio, mas com o qual temos de ter imenso cuidado porque, infelizmente, é mais poderoso do que se poderia supor. Todavia, não há poder que seja possível ante a inexorável questão da falta de audiência. Por mais poder que um detenha, identificado como causa dos problemas, a solução é uma só. Quanto maior a altura, maior a queda. Ele pode ser grande, sim. Grande e pesado. Poderá causar cratera considerável ao cair, mas não terá deixado de ter caído.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d blogueiros gostam disto: