OS OUTROS NOS BATEM, NÓS NÃO BATEMOS

Drops do Hospício

Temos assistido nos últimos jogos do Grêmio uma desproporção entre as faltas sofridas por nossos jogadores e as faltas que fazemos (e muitas vezes recebemos o mesmo número de cartões).

“Muitas vezes é a falta de caráter que decide uma partida. Não se faz literatura, política e futebol com bons sentimentos.”
Nelson Rodrigues

Ao contrário do que disse o teatrólogo Nelson Rodrigues, não acredito em futebol maldoso. Acredito no futebol onde o mérito e o talento decidam os jogos. Assumir que a violência deve ser respondida da mesma forma é uma idéia repugnante, válida somente onde a lei não existe.

E para mim este é o caso no brasileirão 2018. As arbitragens não estão punindo a violência. Estão “fazendo de conta” que punem. Distribuem cartões aos violentos somente nos lances onde deixar passar seria pior para o próprio árbitro, do que punir. Não pensam na lei do jogo, nem nos jogadores machucados, mas sim nas críticas que possam sofrer e nas punições que possam ter se determinado lance tiver repercussão midiática. Assustados fazem o possível para evitar expulsões e serem cobrados por elas.

É a corrupção da idéia de que “O bom árbitro é aquele que não é notado”. Não querem ser notados por agir.

Existem três culpados por esta situação: O Árbitro que não acredita na Lei que diz proteger em campo, a mídia clubística que repercute lances “desfavoráveis aos seus clubes” sem se importar com a justiça, e a comissão de arbitragem da CBF que aplica punições e deixa de aplicar punições não pelo que ocorre no jogo, mas pelo que ocorre na mídia.

Ou seja, vivemos reféns do mimimi e ninguém acredita nas leis do esporte.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d blogueiros gostam disto: