NOTA DE REPÚDIO: SIM, ESTOU NA COZINHA, COMO SEMPRE!

Para mim, a cozinha é um lugar deveras sagrado.

Todos os dias, desde que me internaram aqui neste Hospício, faço meus deveres de cozinheiro para os internos. Ora derrubo o azeite quente no chão, ora fervo demais a água para o chimarrão, de vez em quando quebro um prato ou deixo passar do ponto o milho da pipoca que tento fazer. Mas louco não passa fome, então ninguém percebe minha inabilidade para cozinhar. De qualquer modo, quando alguém me manda para cozinha, não me ofendo, pois venho de uma família de grandes chef’s. Minha bisavó fazia panelões de figadas no tarro para todos funcionários da fazenda que trabalhava. Meu pai foi responsável por toda alimentação da La Sociedad Locos por Fútbol, oriunda de Oviedo, de onde veio nos anos 50. E eu, com toda humildade, herdei esse dom deles (ou não). Para mim, a cozinha é um lugar deveras sagrado.

Dito isso, como fala o locutor aquele, uma piada (antiquada, verdade), que na hora nada teve de ofensiva, afirmada pela própria pessoa ‘atacada’, tornou-se líder de comentários em Redes Sociais. O choro e a vitimização por conta de ‘outros que mandaram mensagens’ subiu o tom da discussão e teatralizou o episódio. Veja bem, ninguém aqui está apoiando machismo, agressão e violência em mulheres que estão por todas as partes. Deixar bem claro que o assédio moral, o xingamento ilícito, o assédio sexual (agarrar a força para um beijo, bulinar, etc) são totalmente desprezíveis por nós aqui. No entanto, o politicamente correto ultimamente faz com que uma frase mal colocada, por vezes, tome uma proporção impensada até pela ‘vítima’ que no momento, nada havia feito. Há um historiador, doente pelo Grêmio como nós, que em meio ao debate futebolístico com uma ex-isenta repórter, largou o jargão ‘volta para cozinha’. No momento risadas, respostas ácidas e 24h depois, a suposta tentativa de menosprezar a nós, cozinheiros de todo o Mundo. Que tristeza! Nossa digna profissão.

Essa mesma moça, seguidamente revela que o âncora do programa busca arrumar ‘homem’ para um bom casamento, dando risada, dizendo do que gosta, que é romântica, que quer um relacionamento à moda antiga, etc e tal, blablabla whiskas sachê. Daí não é machismo pedir um “bom partido”? Pois é, mas isso é pauta para outro texto. Preciso voltar para minha cozinha, com orgulho.

Um abraço, Gui Zado, o Cozinheiro

Um comentário em “NOTA DE REPÚDIO: SIM, ESTOU NA COZINHA, COMO SEMPRE!

  • 28 de abril de 2018 em 01:49
    Permalink

    O jornalismo virou uma novela da vida real. Lançam num dia um assunto e no outro dia se empanturrar do mesmo. E tudo de caso pensado. Tudo armado
    Tudo pelo caça cliques nas mídias sociais.
    Eu nao vejo, nao ouco nada, absolutamente nada desse grupo (nem.o nome falo). Por mim morram a mingua. Mas o que esperar de um programa que e dirigido por um bagaceiro? Só escrotidao e chinelagem.
    Eu queria sinceramente que a direcao do grêmio cobrasse dessas rádios para transmitir os jogos. Essas rádios ganham em cima do GRÊMIO e o grêmio nao recebe um pila. As rádios vendem as jornadas e o grêmio nao leva um P….tostao. Se o grêmio quiser anunciar mas rádios, nao tem que pagar? Então que cobre se elas quiserem transmitir. Nos temos a nossa radio, nossas midias sociais e tal. Nao precisamos em nada dessa corja cretina que so nos degrine a imagem.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d blogueiros gostam disto: