Nem depois de um jogo desses…

É duro ser gremista no Rio Grande

Terça feira vimos um dos melhores jogos dos últimos anos. Grêmio deu uma surra no Cerro Portenho, que veio para se defender e não viu a cor da bola. Aliás nem chutou a gol, o mais próximo disso foi um cruzamento que passou por cima da trave. O time foi incensado por toda a imprensa, brasileira e sulamericana… toda… não… os nobres representantes da imprensa gaúcha, sempre intoxicados por salmão e outras propinas, se dedicaram a achar defeitos no jogo do Grêmio.

Muitas vezes somos acusados de paranoicos por falar demais na Imprensa Vermelha Isenta, a famigerada IVI. Mas o que podemos fazer? Achar o trabalho deles engraçado? Deixar eles criarem (ou tentar criar, como tem sido o caso nos últimos anos) uma crise atrás da outra por aqui enquanto levantam a bola do colorado?

A coisa começou no final de semana. Sábado o time reserva do Grêmio perdeu para o Botafogo, num inusitado gol no último minuto. Não conheço nenhum torcedor que achou lá muita graça, mas… bola prá frente o jogo que interessa é o da Libertadores. Certo? Errado. Os ivistas estavam cuspindo marimbondos em seu programa, fazendo terra arrasada no nosso time e louvando a atuação colorada contra os reservas do Cruzeiro. Pedro Legado comparou os jogadores gremistas a menininhas, que não podem jogar duas vezes por semana. Isso na suposta rádio da lacração, aonde estavam acusando um escriba gremista de ser machista faxista antifeminista por destratar uma integrante do time feminino da IVI. Para os colorados tudo, para os gremistas a lei, ou algo pior.

Chegamos ao jogo… tudo deu certo, os jogadores estavam descansados e com vontade de mostrar serviço. Foi um daqueles jogos que tudo deu certo. Os programas esportivos do centro do país louvaram a atuação do time. Os jornais da América do Sul também. Já os daqui… no programa Café com Vinagre, da rádio Nalnal, Reche ainda estava falando da atuação de sábado contra o Botafogo. Quando falou do jogo o papo foi sobre a decadência do futebol paraguaio, a ruindade do Cerro e como a Libertadores está uma várzea. Normal. Quando jogaram 12 ex campeões, no último ano que o colorado frequentou o certame, era a Libertadores dos Gigantes, a maior de todas. Quando jogam 17 ex campeões… é uma várzea, é a decadência do futebol da América do Sul, não é o mesmo que já foi…

E o Sala de Redação? Mais do mesmo. Várzea, Grêmio só joga contra times ruins. E dê-lhe falar do jogo com o Botafogo. Teve um momento que Pedro Legado estava detonando o time, e os raivosos Diogo Pipoca e Sablé Plissé estava defendendo. Prá ti ver. Quem é presidente da IVI nunca perde a sua majestade. Apenas comprovamos aquelas teses elaboradas por nosso querido RW e confirmadas, empiricamente, por todos nós: é duro ser gremista no Rio Grande. Nos querem em permanente crise, mesmo que estejamos jogando o melhor futebol do continente.

Um comentário em “Nem depois de um jogo desses…

  • 3 de maio de 2018 em 19:18
    Permalink

    Olá! Ando reparando quem nos programas esportivos de rádio e TVs, inclusive nas pagas, o futebol está com muito pouco tempo para debates, esquemas táticos e suas variações, desempenho etc, o que tá pegando mesmo é erros de arbitragem e o famigerado WAR (não dura três rodadas o brasileirão), além de que todos ficam mexendo no celular, não importa que há telespectadores. E nas Rádios, báh! o cara faz o programa lendo o watts que recebe…é o fim. Precisamos mesmo de uma RÁDIO HOSPÍCIO!

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: