MEU DOMINGO SEM GRÊMIO

Poucos momentos nessa vida possuem a aprazibilidade de uma tarde de domingo, amena, ensolarada, de ar fresco.
Pra campeiros como eu, a preguiça de uma rede estendida, ao som de passarinhos e “Quando o verso vem pras casa” no rádio em volume moderado, com a natureza por paisagem…quase nada compara-se, quase nada assemelha-se, quase nada aproxima-se.
O aprochego de um entardecer lindo, um pôr-de-sol digno de moldura e a noite estrelada que só os pampas podem proporcionar…quase perfeito!
Quase…pois nesse domingo, algo faltou. Faltou aquele evento que embala nossos domingos, fanáticos ou muito fanáticos que sejamos. Não por ter sido marcado pra véspera ou pro nem sempre simpático espaço da segunda-feira, mas por força de um feriado que faz muito pouco sentido pra mim, talvez pra muitos de nós.
Foi um domingo sem Grêmio. Nada de trapos, de faixas, de expectativa, de banda, de aroma de guloseimas nos arredores da Arena, vendedores de “água, refri, cerveja”…não. Apenas silêncio. Muitos gremistas na praia, outros em parentes no interior e nas cidades natais…os que preferiram o churrasco, a caipirinha e a paz do sítio como eu. Todos aqueles que se reuniriam em torno da causa “Grêmio”, cada um em um canto, sem poder dividir as alegrias, tristezas, adrenalina, cervejas, abraços a desconhecidos na hora do gol…
Imagino esse domingo perfeito e uma Arena silenciosa, e vejo um contraste similar a uma taça do melhor vinho ao lado da mais clorenta água de torneira. Nada os liga, nada os aproxima.
Nesse domingo, como em tantos outros, tirei um breve cochilo na rede à tarde…e ao acordar, por um momento tive a clara impressão de que apenas sonhara, e que o escrete Tricolor estaria próximo da entrada em campo. Minha ilusão durou pouco. Era apenas mais um domingo, lindo e triste.
O churrasco, a caipirinha, o passeio no sítio, o jantar sempre perfeito da sogra, insanidade não gostar. Mas findei o domingo incompleto. Faltou minha injeção de gremismo, aquelas duas horas que, seja amistoso ou final de Libertadores, fazem meu coração pulsar na expectativa de ver o manto Tricolor adentrando o gramado, e por conseguinte todas as sensações antes descritas.
Não sei como foi o domingo dos demais Gremistas como eu. Mas uma certeza, tenho.
Nada no mundo substitui um domingo de Grêmio.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: