GRE-NAL INESQUECÍVEL PARA PEDRO JABBA

Pedro Ernesto é um leviano.

Às 16h a bola rolará no melhor e mais bonito estádio das Américas, casa do Tricampeão do Continente e Campeão do Mundo. Será mais um clássico daquele que já foi um dos mais completos espetáculos do futebol quando tínhamos rival. Hoje, pálido arremedo, infelizmente, discute-se muito mais o que vai em torno da partida do que acontecerá em campo propriamente.

Em campo, a nossa superioridade é incontestável. Basta ver o que aconteceu no Gre-nal passado, na casa deles, mesmo que os próceres da IVI queiram ver (e insistiram nessa besteirada durante a semana) coisas no segundo tempo. Novo capítulo, nova partida e não se discutiu praticamente o que acontecerá em campo, mas, sim, foram todas as discussões periféricas.

Inúmeros temas povoaram a semana, desde a ordem de Maionese para que Luan fosse parado à base de agressão até as estéreis discussões sobre violência no clássico e a campanha por torcida única liderada por Pedro Legado, o Jabba da Província de São Pedro. Infelizmente, porém, pouquíssimas análises sobre o que se verá em campo, e compreende-se tal silêncio: se os vermelhos da IVI forem falar realmente sobre o que há nos elencos e momentos dos times, terão de mentir (e efetivamente o fizeram nas poucas matérias sobre o “dentro de campo”, concluindo que os dois times são “parelhos”). A verdade? Eles virão à Arena com uma colossal retranca, tentando, para ovulação master da IVI, “sair por uma bola”. E, no meio, virão com toda a violência possível para tentar compensar sua deficiência técnica. Como seus volantes são medíocres e sua defesa, inexistente, partirão para a pura e simples agressão para pararem nosso ataque. E, agora, dada a “declaração em off” de Odair, sabemos que isso é política institucional. E como nada lhes resta a não ser o ruralito, quererão compensar na violência o que lhes falta em técnica. Já viram o quão violentos serão, pois não?

Gravíssimo, aliás, um treinador de um time, qualquer time, dizer que só pararia um jogador adversário no tiro. Ao contrário do que quiseram fazer crer alguns sem-caráter da IVI, isso não foi uma “brincadeira”, não só porque o Estado passa por um clima de violência cotidiana jamais visto, como, também, vai no contra-senso da esportividade. Vejo mais longe: a cena lamentável de Maionese Hellmann é uma confissão de sua própria frustração e incompetência, sendo certo que o Grêmio responderá na bola, nas quatro-linhas, humilhando-os e o Sr. 5×0 passará a ser o Sr. 5×0 ao quadrado.

E então se chega ao Pedro Jabba e a razão dele estar no título de hoje. Não sei se já viram, no twitter ou no site, o verdadeiro vídeo hipócrita que ele gravou “pedindo paz”. Se não viram, podem clicar aqui abaixo e verão a versão verdadeira e exclusiva do patético locutor, em desesperada operação de marketing do grupo rbsci, para resgatá-lo do imbróglio em que se meteu.

https://youtu.be/_tmKmORdg3Y

Pedro Ernesto é um leviano. Após o Gre-nal passado, em que as torcidas gremistas e o próprio time foram alvo de agressões covardes (e nem falarei da repórter, caso que sofreu aquela operação abafa, como previ nos dias seguintes), o pulha Jabba da IVI da Ipiranga saiu, novamente, com ofensas aos sócios-torcedores gremistas, chamando-os de marginais e outros epítetos inqualificáveis. Quiçá Peido Ernesto tenha-se enganado e estivesse pensando nos seus colegas de bancada quando lançou as injúrias, mas o certo é que após culpar as vítimas, passou a defender uma “torcida única” como método para “conter a violência”. Ora, isso acaso impediria a agressão às mulheres no estádio (a estrilante ginofobia e a coruscante misoginia são características reiteradas dos habitantes do Remendo), por exemplo? Ou as brigas dentro da própria torcida colorada(e sobre as quais a imprensa olimpicamente se calou)? A torcida única, ademais, seria uma confissão de falência e incompetência das autoridades gaúchas. O que impede a violência é a punição exemplar. E isso não acontece no RS, onde há alvo certo e partidário por parte de quem deveria zelar pela integridade social.

Enfim, essa insidiosa campanha foi alvo de repulsa veemente nas redes sociais. Percebendo isso, o departamento de marketing da IVI da Ipiranga pôs o hipócrita Porco Legado para eructar meia dúzia de palavras vazias e outra dezena de lugares-comuns. E que credibilidade tem esse decrépito preconceituoso, que já xingou diversas vezes os torcedores gremistas, foi extremamente agressivo com jogadores gremistas e simplesmente abjeto na condução do Sala de Babação? Justo ele a capitanear um “apelo pela paz”? Chega a ser uma ofensa a todos nós vê-lo na nossa casa.

Pois bem, e é por isso que ele está no título. Façamos desse um gre-nal inesquecível para Pedro Jabba Ernesto. Vaiemos. Vaiemo-lo sem dó ou piedade. Quando Pedro Jabba Ernesto Denardin chegar à Arena, que ele sinta que não é bem-vindo. Sem xingamentos ou violência, toda vez que alguém o vir, VAIE FORTE. Não dêem entrevistas aos microfones da Gaúcha, apenas digam “Pedrernesto não é bem-vindo aqui”. Será um domingo que ele jamais esquecerá.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.