ERA DIA DE ADERIR AO SINPOF, MAS A LEI DO EX FOI F**

Que nossa frustração, não vire justinice.

Ninguém fica satisfeito com a derrota e estou irritado sim. Deu tudo errado. Até o ponto do pão que coloquei no forno industrial aqui do Hospício ficou bom, ou seja, errei. No entanto, sabemos que enquanto o calendário do futebol brasileiro for desorganizado, a dificuldade de dar atenção igual em TODAS competições fica difícil. Não estou me contradizendo, nem reclamando somente, até porque queremos o tetra, o hexa, o tri e buscaremos de alguma forma ao menos uma Taça, tenho convicção. Mas jogar quarta-feira à noite no Serra Dourada, campo pesado, clima abafado, para poder repetir a escalação sábado à tarde e terça-feira à noite, seria impossível.

Dito isso, nosso Renato “Mito” Portaluppi optou em poupar os titulares, permitindo apenas a Luan jogar, a pedido do atleta. Infelizmente, não teve uma tarde feliz, aliás, praticamente não encostou na bola e quando teve a oportunidade derradeira, perdeu. Tem crédito. O problema que estávamos empatando até o penúltimo minuto dos acréscimos, quando levamos um gol do Gilson, lateral que passou pelo Grêmio anos atrás e nada fez. Um golaço, aliás. Importa a vitória sempre. Não veio. Nem falarei mais da arbitragem, tendenciosa, horrível, porque nosso time também não fez por merecer melhor sorte. Pudesse, assinava o empate antes de começar a partida. Era dia de aderir ao SINPOF (que sou totalmente contra, mas pela circunstância de jogar com reservas, desentrosado, contra o campeão carioca, em casa e com titulares). Infelizmente, a invencibilidade caiu de uma maneira patética. Nossa gordura da vitória na estreia, não existe mais, pelo empate em casa e derrota no Rio de Janeiro. Iremos escutar novamente a IVI batendo na tecla até a próxima rodada.

Precisamos enxergar algumas verdades, dentro de nossas qualidades. Há peças que com o time entrosado, podem vez que outra funcionar. Mas quando dependem da qualidade desses, impossível. Nossa defesa não existiu. As falhas foram gritantes. O primeiro gol adversário surge de uma jogada que correu o lado esquerdo, atravessou o lado e caiu na direita. O da vitória deles, uma segunda bola que sobrou onde era para estar Michel, o melhor do Grêmio no Engenhão. Só que fora substituído por Cícero. E ali, onde era para estar o mesmo ou Jailson, o buraco que deixou o jogador deles acertar um chute que nunca mais repetirá. De bom, as entradas de Pepê e Lima, que até tentaram algo. Porém, eu preferia ter visto Thonny Anderson pelo menos 45 minutos. Sequer entrou. Longe de colocar culpa em nosso treinador e planejamento em conjunto com a diretoria. Sabemos que ainda há 35 rodadas pela frente. Temos tempo de recuperar e vamos.

Por ora, nos voltemos ao que interessa, que já é a próxima partida, no caso, com titulares, diante do Cerro Porteño, na terça-feira. Sim, daqui 72h, novamente em campo. Time campeão e grande faz assim. O atual Dono da América tem esse compromisso. Que nossa frustração, não vire justinice. Lembrem, quem está apavorado são eles, nós seguimos apenas sendo o time a ser batido.

Um abraço, Gui Zado, o Cozinheiro

FOTO: LUCAS UEBEL/GREMIO FBPA

Um comentário em “ERA DIA DE ADERIR AO SINPOF, MAS A LEI DO EX FOI F**

  • 30 de Abril de 2018 em 09:37
    Permalink

    Olá! Serei o primeiro a comentar? Bem, então que Renato jamais repita essa escalação. Na zaga, Bressan e M.Oliveira juntos é um chama gol, e ele vem, acontece após cederem, 3 escanteios ridículos. Ao menos 4 titulares sempre, como Felipão fazia. Luan em campo e Geromel no banco esperando por Tite…e ele não apareceu. Por favor direção gremista, não sirva de atração patética à CBF/Globo.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: