E SE O IMORTAL TRICOLOR FOSSE O OLIMPO?

Olá Gremistada, hoje a coluna é comigo, Leonna, e como já sabem, além do Grêmio e do vinho, a mitologia também é uma das minhas grandes paixões, e nesse período sem jogos, andei pensando, e se o imortal fosse o Olimpo?

Bom, vamos lá, vou brincar aqui de ligar um personagem mitológico a cada atleta, mas claro, sem levar em consideração o gênero, o caráter, a importância e o fim que cada um teve.

Andiamo,

#Paulo Vitor– Hércules, um mortal que passou por doze árduas tarefas e tornou-se herói grego… Como nosso goleiro do sacrifício à afirmação.

#Júlio César– Eulabeia, o espírito da circunspecção e da cautela, JC é ótimo goleiro, todos sabem, foi infeliz em um lance contra o Fluminense, mas todos confiamos muito no potencial dele, e até acho que erros assim auxiliam na carreira para o atleta ser mais prudente ao tentar algo diferente no jogo.

#Geromel– Afrodite, a deusa da beleza e do amor, quem não é apaixonado pelo nosso zagueiro, não é? E ele não é o mais bonito, mas com certeza é o mais cobiçado pelos outros clubes.

#Kannemann– Ares, Deus da guerra, nem preciso falar muito, é só o ver em campo…

#Rodriguez– Ártemis, irmã gêmea de Apolo, deusa da Caça, um monstro em campo que não larga o adversário.

#Paulo Miranda– Aquiles, um dos melhores soldados gregos, mas tinha um problema, seu calcanhar não era protegido e isso o fez ser derrotado em batalha, no caso do nosso bom zagueiro, as lesões são o “calcanhar de Aquiles”, mas agora no segundo semestre, nosso guerreiro estará pronto para os embates.

#Léo Moura– Cronos, o deus do tempo, o vovô garoto tem muita bola ainda pra ajudar o imortal

#Cortez– Eros, o cupido, o deus do amor, flecha todo mundo com o carisma e a família linda e abençoada que possui, o encanto dos cortezinhos…

#Juninho capixaba– Heitor, o melhor dos troianos em combate, tinha boas características defensivas, mas o que lhe fazia diferente dos demais era a habilidade de atacar.

#Marcelo Oliveira– Metis, mãe de Atena, era a Titã dos bons conselhos, do assessoramento, e como o nosso lateral/ zagueiro usava da boa retórica e da experiência para manter a ordem e motivar.

#Léo Gomes– Lelanto, Titã do ar e da habilidade do caçador no espreito da presa, característica da marcação do nosso lateral.

#Galhardo– Hélio, Deus do sol, esteve aqui, saiu e agora voltou como o ciclo solar diário, e olha, já brilhou por aqui, espero que continue iluminado.

#Maicon– Atena, a deusa da guerra, da inteligência e das estratégias, o capita é cérebro do Grêmio.

#Matheus Henrique– Edipo, decifrou o enigma da esfinge. Nosso xodó, entrou e mudou o time, acertou nosso modo de jogar.

#Michel– Argos Panoptes, era um gigante com cem olhos, e era responsável pela vigilância, assim como nosso 5, sempre sentinela protegendo a zaga.

#Thaciano– Hefesto, Deus da indústria, dos trabalhos manuais, o garoto vovô não é o craque do time, e sabe disso, e assim mostra vontade e raça em todas jogadas, como um bom operário, e é fundamental temos esses “trabalhadores” no plantel.

#Darlan-Morfeu, tinha o dom de assumir qualquer forma e invadir os sonhos humanos, por isso é o Deus dos sonhos, Darlan lembra Morfeu pelo fato de os dois terem grandes e rápidas asas que podem voar pra onde quiserem, sem fazer barulho.

#Rômulo– Elpis, espírito da esperança e da expectativa, quem viu o Rômulo do Vasco sabe do potencial, tanto que o Flamengo pagou muito na negociação, por isso tenho esperança que ele possa voltar a desempenhar aquele futebol.

#Jean Pierre– Ulisses, o grego que teve a ideia de confeccionar o cavalo de Tróia vencendo a longa guerra entre gregos e troianos e ainda conseguiu a volta de Helena. Nossa jóia é muito sagaz e muito inteligente como Ulisses, mas esse mundo esportivo também é uma batalha e é preciso cautela, com pessoas e coisas.

#Luan– Ícaro,  que preso com seu pai Dédalo, no labirinto de Minotauro teve a brilhante ideia de construir asas e fugir voando, pois bem, deu certo, as construiu com penas de gaivota e juntou com mel de abelha, fugiram dali, mas Ícaro ficou tão cheio de si, que contrariando seu pai quis voar cada vez mais alto e mais alto, até que o sol começou a derreter a cera, e assim desfez suas asas, o derrubando no mar Egeu.. Nosso 7, tem a vitalidade, a perspicácia e a inteligência de Ícaro, mas alguns fatores também o fizeram querer voar alto demais, mas tenho convicção que agora com um novo agente, uma nova etapa, curado de lesões, ele vai sair do labirinto e deixar “Creta” em grande estilo, com asas reluzentes do ouro das taças. Foco e trabalho Ícaro, o Grêmio te dá todas as condições, constroem tuas asas e voa, tu podes conquistar o que quiser, então queira.

#Tardelli– Apolo, um dos mais importantes dos deuses, o “deus brilhante”, nosso atacante é veloz, inteligente, agudo, eu fiquei admirada quando o vi pela primeira vez na Arena, tem muita qualidade, além disso Apolo é protagonista da Odisseia, e se meu desejo se realizar, o nosso Diego será o nome do segundo semestre.

#Éverton– Hermes, o deus do vento, o mais veloz, assim como Cebolinha, e ainda era o mensageiro dos deuses, portanto tinha que ser certeiro e o nossa “claque” na frente do gol meus caros, é rede.

#Pepê– Kairós, o deus do tempo oportuno, não confundam com o Cronos que empreguei à Léo Moura, Kairós se refere a estar pronto, a oportunidade, e é isso que liga ao nosso guri, Pepê, sempre que foi chamado esteve pronto e aproveitou.

#Vizeu– Poseidon, o Deus dos mares, assim como nosso atacante era um homem forte, com barba, e tinha como “marca” a companhia de um tridente, Vizeu está aqui e também tem um tridente para servi-lo, e de muita qualidade, que domine as ações como Poseidon fazia com as águas do planeta.

#André– Agamenon, rei de Micenas, muito respeitado e bem quisto, assim como Dedé Felipe é por Portaluppi, já mostrou isso nas oportunidades que lhe concede, bom, a semelhança aqui é que Agamenon sempre fora chamado para comandar os ataques, porque tinha capacidade, isso André também tem,  e se está no “exercito” é porque merece e não desaprendeu.

#Portaluppi – Não existe personagem na mitologia que possa descrever esse homem, então usarei dois, um é Midas, um rei que Dionísio concedeu o poder do toque de ouro, que consistia em que tudo que o soberano tocasse viraria ouro, como Renato, com suas incontáveis taças. E claro, o outro personagem é o que mais remete ao gênio, Zeus, o mais importante e imponente dos deuses, o “pai deles tudo”, ninguém foi maior que Zeus.

Já que vocês leram até aqui, vou fazer uma alusão ao inter, sempre tem que ter uma zoeira, se não a gente perde o costume. Nosso menino podemos vincular a Dionísio, calma gente, eu sei que ele é o Deus do vinho que é uma das melhores coisas que existem, mas esse Deus também era ligado às coisas obscuras, ilegais… Portanto, os fiascos e PDF’s cairiam no departamento dele, e outra coincidência e prova cabal da semelhança é que Dionísio era o filho bastardo de Zeus, no nosso caso, Renato Portaluppi, fechou não?

Espero que tenham gostado da brincadeira, que a gente faça do segundo semestre um Olimpo, com nossos heróis e o nosso Deus dando a volta olímpica, literalmente.

Abraços de gol.

Um comentário em “E SE O IMORTAL TRICOLOR FOSSE O OLIMPO?

  • 27 de junho de 2019 em 13:41
    Permalink

    Muito boa e divertida coluna!
    Parabéns à Leonna.
    Grande abraço para todos da rádio hospício.
    Vocês são demais e o gremista que lê ou escuta o hospício tricolor, nunca mais larga.
    Abraços.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: