E a Festa dona CONMEBOL?

Buenas Gremistada, vamos para mais uma semi-final de Libertadores, a nossa 9ª. E que venha mais uma final e o TETRA!!! Não vai ser fácil, enfrentaremos um dos grandes da Argentina, outro tricampeão e assim como a gente, de outra turma. Mas não é sobre o jogo que quero falar, é sobre algumas coisas que me parecem incompreensíveis, partindo de quem toma as decisões pelo nosso futebol.

Algumas coisas me parecem estranhas, e devem ter lá suas razões, não duvido, mas a percepção que fica é que a nossa cultura de futebol na América é posta em cheque constantemente. Ok, o futebol mudou, evoluiu, não é mais o mesmo de décadas atrás, hoje já vemos muito maior presença feminina, famílias nos estádios e é louvável, assim como a preocupação com segurança. Mas como justificar jogos de Libertadores em estádios como o do Defensor, na primeira fase da LA deste ano. Ou a final em Lanús, um estádio acanhado, precário e sem condições para sediar um final do maior campeonato das Américas? São coisas que não entendo. Ao mesmo tempo que a CONMEBOL se mostra tão diligente com certas coisas, como a festa nos estádios, outras passam batidas e seriam muito mais importantes.

Dei uma navegada no site da CONMEBOL – http://www.conmebol.com/es/regulamento-conmebol-libertadores-2018 – e fui buscar o regulamento da Libertadores 2018. Me chamou atenção o artigo 128 e 129, que rege sobre as torcidas nos estádios, segue:

Art. 128 O Clube local deverá prover segurança adequada no setor destinado à torcida do time visitante. Como referência, os clubes visitantes têm direito de comprar até 2.000 ingressos em todas as partidas até as quartas de final e até 4.000 ingressos para as SEMIFINAIS e FINAL de acordo com o estabelecido nos Artigos 100 e 101.

Art. 129 Encontra-se proibida a presença e/ou o uso nos estádios das seguintes pessoas e objetos:

  1. a) Pessoas em estado de embriaguez.
  2. b) Pessoas sob efeito de substâncias psicotrópicas.
  3. c) Pessoas com indumentária que não permita uma adequada identificação.
  4. d) Armas brancas.
  5. e) Armas de fogo.
  6. f) Recipientes de vidro.
  7. g) Iluminação a Laser.
  8. h) Apitos (sons que podem confundir às autoridades da partida e jogadores).
  9. i) Extintores de fumaça de cores.
  10. j) Rolos de papel.
  11. k) Guarda-chuvas e/ou sombrinhas.
  12. l) Panos ou bandeiras que impeçam a correta identificação dos torcedores.
  13. m) Faixas ou bandeiras que tapem a publicidade no estádio ou impeça a identificação dos torcedores e a visibilidade do público. CAPÍTULO XII Segurança 68
  14. n) Pedaços de pano que impeçam a correta identificação dos torcedores.
  15. o) Balões a gás.
  16. p) Qualquer tipo de elemento acionando por sistema de gás.
  17. q) Nenhum tipo de objeto pirotécnico.
  18. r) Qualquer sistema de amplificação de som.

Caramba, alguns itens como armas de fogo, armas brancas, recipientes de vidro, laser, extintores, apitos, guarda chuvas, objetos pirotécnicos, etc, enfim tudo que possa trazer risco ao torcedor, danos ao espetáculo e ao mandante podendo ser jogado dentro de campo é totalmente compreensível sua proibição. Entendo a razão por trás de uma decisão assim. Mas bandeiras, trapos, barras, fumaça na entrada dos jogadores em campo (manuseada pelos clubes), bobinas, bastonetes, papel picado, isto faz parte da festa nos estádios. Olhemos o Bobinaço protagonizado pelo Grêmio ano passado na ARENA. A imagem correu mundo e era vinheta de todos programas esportivos. Ok, melhor não misturar bobinas e sinalizadores, risco de fogo, mas e a festa? E os outros materiais?

Fui dar uma olhada em imagens usadas para promover a Libertadores e TODAS mostram torcidas no age da sua festa. Como pode? Proíbem, mas usam as imagens da festa? Vamos lá dona CONMEBOL, um pouquinho de coerência não faz mal. Fica parecendo indústria da multa: proíbe pra multar e arrecadar. Um pouquinho de bom senso iria bem.

Ah, antes que alguém diga que este valor de multas deve estar no orçamento dos clubes, não é bem assim. Não tenho dúvidas que se necessário for, algumas concessões serão feitas, mas não pode ser regra. A gente não programa uma viajem de carro considerando a gasolina a ser gasta, o pedágio e mais 8 multas por que vou acima da velocidade e ultrapassar em local proibido. Eu pelo menos não me organizo assim, então não cobro o clube desta forma.

Saudações tricolores.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d blogueiros gostam disto: