A VIGILÂNCIA ETERNA

Estaremos sempre de olho.
       Aqui no Hospício somos muito organizados. A cada dia da semana um dos internos escreve, como vocês devem acompanhar com ansiedade, devorando-lhes os excelentes textos, e a cada um de nós toca um ângulo. Alguns examinam o futebol em si, outros têm um enfoque mais para o lado do Torcedor e por aí vai. Como parte indissociável da vida Gremista, a análise, denúncia e acompanhamento da IVI faz parte da nossa rotina e a mim, Volódia, cabe denunciá-los, expô-los, afrontá-los, enfrentá-los e ridicularizá-los. Se bem que, se formos pensar direitinho, ridicularizarem-se é algo que eles fazem muito bem solitos, sem que precisemos fazer o que quer que seja.
       Confessem: tem coisa mais divertida, por exemplo, do que ver Vittorio Carlos Mito, o Píffero, e Medeiros, o MeMe Surfistinha, digladiando-se nas páginas e nos microfones da IVI da Ipiranga? Autêntico caso do roto falando do esfarrapado. Do ponto de vista nosso, de torcedores adversários, queremos mais é ver a coisa explodir para os lados de lá e, se tu acompanhas a nossa página, sabes já que não se pode fiar naquilo que sai nas páginas da ZH ou de qualquer veículo da IVI. Há muita gente, todavia, que ainda não se deu conta disso e usa ainda tais veículos como “fonte de informação”, e não me refiro aos justinos ananases (leiam a coluna da semana passada para a definição de tão belo espécimen), falo de pessoas que, inocentemente, buscam tais papeluchos como se dali pudessem extrair algo que preste. Assim, indago, o papel de um jornalista sério, não seria outro?
Jabba-Denardin
Jabba-Denardin
       Irretorquivelmente que seria! Ao invés de ter deixado o Carlos Píffero, o Mito Vittório, deitar falação sem ser contestado, durante o Sala, aquela programa que hoje se tornou um parque patético em que Jabba Ernesto dita a maneira como as coisas serão distorcidas, não se deveria ter, de posse de números e estatísticas, questionado e confrontado o ex-dirigente colorado? E mais, em se tratando do atual Nababo Morango, o tal tiozão do Surfe, ao invés de deixá-lo deblaterar sem sentido querendo jogar às costas do ex-dirigente a responsabilidade pelos erros presentes, não deveriam questioná-lo sobre os desatinos da atual situação rubra?
       Seria, de fato, o mínimo. No entanto, esses supostos jornalistas não podem entrar em rota de colisão por dois motivos singelos. O primeiro, porque passaram o tempo inteiro apoiando o Piffero, o Carvalho, o Medeiros e qualquer pulha que encabece a Morangolândia, sempre louvando as respectivas administrações e, assim, expor esses dirigentes hoje seria confessar que mentiram à altura dos acontecimentos. Que sinuca de bico! O segundo motivo? Monetário. Tirem suas próprias conclusões.
       E para o Grêmio? Sobra o monetarizado ódio e o estipendiado veneno. Acaso seria outra a razão de vermos colunas de zini GluGlu Piaçava no Queixo Pires celebrando o tal ranking do soccerX cujo valor é… nenhum? No afã da agenda positiva colorada e provar que o Grêmio está pior, o tal “jornalista”não analisou a metodologia ou o que constitui o tal estudo. O tal ranking nasceu de análises baseadas em “fatos de conhecimento público, notícias e declarações dos clubes em si, incluindo balanços publicados, além do valor dos salários dos jogadores. Perceberam da onde nasceu a distorção? Pega-se um balanço maquiado e acochambrado, salários distorcidos para cima e notícias financeiras camaradas e temos uma linda bolha! Não é à toa que apenas no RS esse tal estudo foi discutido. Acima do Mampituba, solenemente ignorado.
Zini GluGlu e as Matérias Pagas
Zini GluGlu e as Matérias Pagas
       Notem a coisa como anda. E apenas para sairmos da turma da Ipiranga para outra facção da IVI, na Guaíba. A técnica é idêntica. No momento em que a turma do aterro está matando cusco a grito e vendendo o almoço para pagar a janta, eles entrevistaram o MeMe do Surfe e foram todos na onda de que a culpa da situação caótica deles é da conjuntura econômica do país e que todos estariam assim no Brasil. O Grêmio com recorde no Quadro Social, vendas nas lojas explodindo, o maior número de camisas oficiais vendidas no Brasil, superávit desmente essa assertiva.  E na hora que adiantamos os fatos e forçamos a comparação, o clube posto em dúvida é sempre o nosso! Reflitam sobre isso. Denunciem. Analisem e pensem. Hoje, temos alternativas.
       Por isso, é importante pontuarmos que o preço da verdade é a vigilância eterna. É cuidarmos e partilharmos nossas informações de Gremistas para Gremistas. Por isso nasceu o Hospício Tricolor.             Não é uma fonte azul, é uma fonte que diz a verdade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: