A LIMONADA E O CAMPEÃO DE GRUPO

Há coisas que estragam o dia de qualquer Gremista. Uma delas é ver outro Gremista elogiando o ex-tradicional-rival.
E pra completar a ruína do dia, ser obrigado a concordar, ou caso discordar, fazer de leve, pra evitar chatear o cliente.
Diante das recentes jornadas nossas e deles, estou sendo forçado a ouvir Gremistas, das mais variadas (e maldosas) formas, insinuando que o E-TR possui “um time mais encorpado que o nosso”, “eles já tem um time titular definido, nós ainda não”.
Fico me perguntando se eles teriam time titular definido caso possuíssem a quantidade e qualidade de opções que temos. Mas a eles, não faço esse questionamento. Não vale a pena. Deixo minha resposta curta e levemente grossa: “Com dois limões, um jarro de água e um pouco de açúcar, só o que se pode fazer é uma limonada.”
Como exigir que um elenco com 11 medianos, um ou dois reservas igualmente medianos, e o restante refugos não aproveitados em outros clubes, vá ter dúvidas em relação à escalação? Como exigir que o técnico faça mistério, se é só isso que ele tem pra escalar?
Agora vejamos Renato: sei que ele tem cometido alguns equívocos no momento de escalar/substituir. Mas como proceder? Ao mesmo tempo em que ele tem uma ideia falsa de que Montoya é meia-direita, ele possui um leque de jogadores do meio adiante que o confunde por vezes.
Alisson, Pepê, Marinho, Éverton, Vizeu, André, Tardelli, Luan, Jean Pyerre, Thonny Anderson…muitos bons jogadores, poucas vagas. Não adianta usar a campanha no Ruralito como justificativa. Não é parâmetro. Esse torneio só serve pra descobrir quem não presta. A avaliação de verdade começará nas cercanias de junho, creio eu. É quando o estadual acabou, a primeira fase da Libertadores já está bem desenhada, a Copa do Brasil já foi sorteada em suas 8as de final e o Brasileiro, minha obsessão, bem…a história prova que ele jamais se decidiu nas primeiras 10, 12, 15 partidas. Esses pontos perdidos pra Santos e Avaí farão falta? Talvez sim, talvez não. O desenrolar desse longo e imprevisível certame é que vai dizer.
Mas acho que nosso papel enquanto Gremistas é deixar Renato trabalhar. Ele não é novato, pelo contrário. Tem faixa e medalha que não acaba mais, e refrescando algumas memórias forradas de teias de aranha e pó envelhecido, isso tudo não foi por acaso. Não, claro que não! Foi apenas a sublimação de um trabalho jamais visto desde Felipão nos anos 90, e com poucos precedentes. Aliás, não só Renato, o mestre Romildo, ao qual também venho ouvindo críticas infundadas, é peça-chave desses dias de glória que há algumas pencas de meses estamos vivendo.
Renato tem muitos ingredientes, e precisa achar a receita perfeita. Não é fácil como a IVI tenta fazer parecer. O que esses picaretas não falam é sobre a receita da limonada. Ou alguém sabe fazer alguma iguaria diferente com esses ingredientes?
Que aproveitem enquanto puderem…no momento em que faltar limão ou açúcar, e o mercado estiver fechado, vai faltar tudo o que em nossa prateleira tem de sobra. Isso diferencia um campeão de grupo de um colecionador de taças.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: