A IGUARIA QUE NÃO QUERO MAIS PROVAR

“Esse clube nunca mais será rebaixado, prometo a vocês!”
Quem conhece vagamente a história do Grêmio sabe que essa sentença foi proferida por Paulo Odone, em meio à euforia do desfecho da Batalha dos Aflitos. Que a rigor nem foi uma batalha, visto que historicamente as batalhas costumam ser leais. Exército algum se vangloriou por enfrentar uma peleia com desigualdade de condições. Naquele jogo, só tínhamos a camisa e a tradição a nosso favor. Mas enfim, vencemos.
Voltando aos dias atuais, é evidente que não estou cogitando a possibilidade do Grêmio cair. Aliás, na minha visão, sequer existe chance de “brigar pra não cair”. Mas a imprevisibilidade dessa faca de dois gumes chamada futebol me faz refletir: “E se…??”
Renato faz bem em blindar o grupo e exaltar “estamos classificados na CB, estamos classificados na Libertadores e vencemos o regional”. Ok…mas eu pergunto a meus pôsteres algo que muitos Gremistas devem perguntar também aos seus: e o Brasileirão? Estamos carentes dessa competição (não a 40 anos como outros, mas enfim…), e ao mesmo tempo temos um elenco que, bem escalado e em sua plenitude, nos permite sonhar. Ou melhor, nos permitia. Nesse momento, sonhos e pesadelos se confundem em um cochilar e acordar que parece não ter fim. Dormimos com a expectativa de “agora vai” e acordamos com muitas dúvidas. Sabemos que a classificação na Libertadores veio, mas veio na última rodada, agoniante. Na Copa do Brasil também, mas contra um Juventude que é apenas um Paysandu que nunca recebeu cheque sem fundo pra entregar jogo. E alguns fatos vêm tirando meu sono, que costumava ser tranquilo: Renato melando a carreira de um dos melhores volantes em atividade no Brasil, largando-o às moscas na ponta-direita, posição que jamais cogitou jogar profissionalmente. Vários desfalques contra o Bahia? Sim, verdade…e nem assim Tardelli merece iniciar uma partida como titular? Físico? Dane-se. Talvez quando ele cansasse já estivesse 2×0, aí não faria diferença. Galhardo precisa se ajoelhar pra ganhar uma sequência de 5 partidas em detrimento ao limitado (pra ser generoso) Léo Gomes?
Não vou insistir em apontar erros que vejo e falo desde fevereiro, só que a produção atual é pouca, muito pouca! O Grêmio é muito maior que isso!
Que venha logo a parada pra Copa América. A direção certamente terá tempo pra cobrar de forma mais enérgica a vitoriosa comissão técnica, e nos dar um alento. Porque tudo indica que a semifinal da Libertadores 2018 não serviu como lição pra nada. As Copas são traiçoeiras, e o calejado Renato deveria saber que dez minutos ruins aliados a um VAR incompetente jogam o trabalho todo no ralo.
Chegar às fases finais das Copas brigando lá embaixo no campeonato seria angustiante ao extremo, visto que o barbante estica ao máximo. Seria o agonizante martírio de uma torcida que jamais silenciou sequer nos piores momentos, e que não merece ver o clube nesse calvário de comemorar 1×0 em casa.
Odone não deixou saudades, mas aquela frase jamais esquecerei. É pouco, sei. Mas quem já foi mordido por cobra tem medo de linguiça. E embora aprecie muito essa iguaria, tal sabor não quero provar novamente, jamais.
Olho no Brasileirão Renato!
Já passarei meu aniversário angustiado. Permita-me ao menos festejar o Natal mais leve do que o dia de São Pedro.
E título nem é mais exigência, ao menos de minha parte. 45 pontos e Deus abençoe as Copas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: